Roubo de cargas continua aumentando no Brasil, alerta Ciro

FotoMateria21072014“O roubo de cargas tem crescido tanto que se tornou um caso grave e preocupante de segurança pública no Brasil”, afirmou o senador Ciro Nogueira (PP-PI) em discurso.  Ao citar uma série de reportagens exibidas pela Rede Globo sobre o aumento desse tipo de crime, Ciro chamou a atenção para os perigos que os caminhoneiros enfrentam nas estradas e os prejuízos à economia que, em 2016, chegaram a mais de R$ 1 bilhão.

O senador falou sobre duas reportagens recentes veiculadas pelo jornal “Bom Dia Brasil” que tratam do roubo de cargas.  Uma delas mostrou um protesto de caminhoneiros no Rio de Janeiro contra o aumento das ocorrências no estado. De acordo com a matéria, esse tipo de crime triplicou e a média é de um caminhão assaltado por hora. A outra citou o problema em São Paulo onde os roubos a caminhões têm aumentado diariamente e causado pânico entre os motoristas. Segundo a reportagem, de janeiro a maio deste ano, 2.517 caminhões foram roubados e a facilidade de revenda das mercadorias é o que mais tem atraído os bandidos.

Uma matéria com dados sobre o roubo de cargas recentemente publicada pelo jornal O Globo também foi mencionada pelo senador. Entre 2011 e 2016, foram quase cem mil casos e os prejuízos passaram dos R$ 6 bilhões. Ainda segundo o jornal, existe um crescimento preocupante desse tipo de crime também fora das grandes cidades.

“O jornal cita um estudo da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro com os 57 países mais perigosos para o transporte de cargas e o Brasil está em oitavo lugar”, salientou.

A reportagem mencionada por Ciro ressalta que, pela gravidade do problema, a Firjan e cerca de 30 entidades de setores afetados pelo crime de roubo de cargas estão lançando o Movimento Nacional contra o Roubo de Cargas. A proposta estabelece a cooperação entre a União, estados e setores-chaves da sociedade para combater esse tipo de crime. Entre as diretrizes defendidas está a necessidade de aprovação de leis com punições mais severas para a prática de crimes de receptação, armazenamento e venda de produtos roubados.

“Esse é exatamente o objetivo de um projeto apresentado por mim para alterar o Código Penal e aumentar a pena para os crimes de roubo e de receptação de cargas em caminhão, embarcação, trem ou aeronave”, informou Ciro.

Segundo o senador, a proposta (PLS 125/2011), que está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), prevê um acréscimo nas punições de um terço até a metade, dependendo da sentença. Atualmente, a pena de reclusão é de quatro a dez anos para roubo. No caso de receptação, a condenação varia de três a oito anos de reclusão. Com a iniciativa, o parlamentar pretende inibir a atuação dos bandidos e, consequentemente, aumentar a segurança dos motoristas de caminhões que percorrem as rodovias e estradas de todo o país. 

“É muito desgastante a realidade desses caminhoneiros, que saem de casa para fazer uma entrega e já sabem que o bandido está à espreita nas estradas. Infelizmente, centenas de caminhoneiros já perderam suas vidas, simplesmente por estarem transitando nas estradas”, lamentou.

Ao falar sobre os prejuízos econômicos gerados pelo roubo de cargas, Ciro explicou que as empresas de transporte acabam repassando para os consumidores os gastos que precisam assumir, tanto com as perdas sofridas quanto com o investimento maior em segurança para o transporte dos produtos. Ele explicou que as inúmeras dificuldades operacionais aumentam os custos de toda a logística de transportes, elevando o chamado "custo Brasil", o que ele classificou como um grande entrave para o setor de cargas no país e para nossa economia.

"Precisamos punir com mais rigor as quadrilhas do asfalto e os receptadores que patrocinam o roubo de cargas para desestimular esse crime assustador e perigoso que coloca em risco a vida de nossos caminhoneiros, desequilibra a economia e aflige toda a sociedade", concluiu.